Este blog, é criado na vertente musical e politica e das artes em especial, mais acima de tudo aborda vários aspectos de nossas vidas, dos problemas sociais.

02
Fev 12

               

 

Alcoolismo

 

Dizem que para criticarmos algum ou falar de algo que não achamos positivo, temos que ter moral para tal. Faz tempo que queria abordar sobre este tema, mas na altura não me encontrava com moral para postar algo do género, entretanto faz tempo que tomei uma decisão, parar de consumir álcool e substâncias do género, não digo que nunca mais voltarei a consumir pós o futuro a Deus pertence mais se depender inteiramente de mim e da minha vontade, será para sempre mas é algo dificil de prever. Eu não sensuro quem consome álcool e nem critico, por isso espero que este post não seja interpretado de forma errada, não estou a subjulgar ninguém, mas este post tem estatísticas interessante espero que as pessoas que o lerem aprendam um pouco do que eu aprendi com a investigação deste tema.

 

O alcoolismo é geralmente definido como o consumo consistente e excessivo e/ou preocupação com bebidas alcoólicas ao ponto que este comportamento interfira com a vida pessoal, familiar, social ou profissional da pessoa. O alcoolismo pode potencialmente resultar em condições (doenças) psicológicas e fisiológicas, assim como, por fim, na morte. O alcoolismo é um dos problemas mundiais de uso de drogas que mais traz custos. Com excepção do tabagismo, o alcoolismo é mais custoso para os países do que todos os problemas de consumo de droga combinados.

Normalmente os alcoólicos têm dificuldades em cumprir os seus deveres profissionais.

 

O álcool provoca acidentes de visão, diminuindo o campo de visão da pessoa.

 

Apesar do abuso do álcool ser um pré-requisito para o que é definido como alcoolismo, o seu mecanismo biológico ainda é incerto. Para a maioria das pessoas, o consumo de álcool gera pouco ou nenhum risco de se tornar um vício. Outros factores geralmente contribuem para que o uso de álcool se transforme em alcoolismo. Esses factores podem incluir o ambiente social em que a pessoa vive, a saúde emocional e psíquica, e a predisposição genética.

O tratamento do alcoolismo é complexo e depende do estado do paciente e de seu engajamento no processo de cura.

Muitos termos são aplicados para se referir a uma pessoa alcoólica e ao alcoolismo. Existe muita controvérsia a esse respeito, entretanto é consenso que:

  • O alcoolismo pode levar a morte.
  • 'Alcoolismo' é uma doença, um transtorno psicológico sério, que precisa de tratamento multiprofissional.
  • O alcoólico pode apresentar prejuízos relacionados com o uso de álcool em todas as áreas da vida (Prejuízos físicos, mentais, morais, profissionais, sociais, entre outros).
  • O alcoólico perde a capacidade de controlar uma quantidade de bebida que ingere, uma vez que vence uma ingestão. Abuso, uso pesado, vício e dependência são todos rótulos comuns usados para descrever os hábitos de consumo, mas o real significado dessas palavras muito podem variar, dependendo do contexto em que são usadas. Mesmo dentro da área de saúde especializada, uma definição pode variar entre as áreas de especialização. Muitas vezes a política e a religião ainda confundem o problema e agravam uma ambiguidade.

 

Uso refere-se ao simples uso de uma substância. Uma pessoa que bebe qualquer bebida alcoólica está usando álcool.

Desvio, problemas com uso e uso pesado são termos que sugerem que o consumo de álcool tem causado problemas psicológicos, físicos, sociais, ou seja, danos ao bebedor. Os danos sociais e morais são altamente subjectivos e, portanto, diferem de indivíduo para indivíduo, o que dificulta a identificação desses usuários.

 

A expressão abuso tem uma variedade de significados possíveis. No campo da saúde mental, o uso do DSM-IV por psicólogos e psiquiatras traz uma definição específica, que envolvem um conjunto de circunstâncias da vida que acontecem por causa do uso da substância. Na política, o abuso é frequentemente usado para se referir ao uso ilegal de qualquer substância. Dentro do vasto campo da medicina, o abuso, por vezes, refere-se ao uso de medicamentos prescritos em excesso da dose prescrita ou A utilização de um medicamento de prescrição médica sem receita. Dentro da religião, o abuso pode se referir um qualquer uso de uma Substância mal Considerada. O termo é muitas vezes Evitado, pois pode causar confusão Devido ao Público que não necessariamente compartilham uma única definição.

Dependência também tem várias definições, mas não é tão comummente usado como o abuso fora do campo da saúde. Medicina Física considera uma dependência uma adaptação física do corpo para uma presença persistente de álcool. Psychological Medicine considera uma dependência de ser uma dependência mental mentais de uma pessoa em cima de algo para Manter seu status quo. Estes dois são ocasionalmente diferenciadas como uma dependência física e psicológica. No campo da psiquiatria, dependência do álcool o termo que se Refere ao alcoolismo. Como resultado, o diagnóstico de dependência de álcool não Necessariamente indica uma presença de dependência física.

A definição precisa de vício é debatido, mas em geral se Refere uma qualquer condição que faz com que uma pessoa continuar uma Demonstrar comportamentos nocivos para essa pessoa. Para o alcoolismo, que o comportamento é o consumo de bebidas alcoólicas. Algumas Condições que contribuem para o alcoolismo Incluem uma dependência física, condicionamento Neuroquímica, e a percepção de uma pessoa que os Benefícios do Álcool psicologicamente ou socialmente.

 

Remissão é muitas vezes usado para se referir a, um estado onde um título não é mais que apresentam sintomas de alcoolismo. A Associação Psiquiátrica Americana considera um remissão uma condição em que os sintomas físicos e mentais do alcoolismo não estão mais evidentes, Independentemente de haver ou não uma pessoa ainda é potável. Eles subdividir em Aqueles Remissão precoce em ou sustentado e parcial ou faixa. Outros (principalmente Alcoólicos Anónimos) termo recuperação para o usam descrever Aqueles que cessaram completamente o consumo de álcool.

 

 

O consumo excessivo de álcool leva a uma degradação do etanol em etanal pelo fígado, fato que consome NAD+ formando NADH. Na segunda reacção para a formação de acetato também há consumo de NAD+ e formação de NADH, dessa forma o ciclo de Krebs (dependente de NAD+) é diminuído pela falta de NAD+, aumentando portanto o metabolismo anaeróbico das células, o que irá produzir mais ácido láctico no organismo. Esse excesso de ácido láctico no organismo compete com a excreção de urato contribuindo para o aumento de ácido úrico no sangue, o qual irá precisar em articulações gerando uma doença conhecida como gota.

O conjunto de efeitos fisiológicos sentidos após excessivo consumo de álcool é conhecido como versaria, popularmente chamada de "ressaca".

 

Álcool no sangue

 

Álcool no sangue Alcool no sangue (gramas/litro)

Estados    

Sintomas

0,1 a 0, 3

Sobriedade

Nenhuma influência aparente

0,3 a 0,9

Euforia

Perda de eficiência, diminuição da atenção, julgamento e controle

0,9 a 1,8

Excitação

Instabilidade das emoções, descoordenação muscular. Menor inibição. Perda do julgamento crítico

1,8 a 2,7

Confusão

Vertigens, desequilíbrio, dificuldade na fala e distúrbios da sensação.

2,7 a 4,0

Estupor     

Apatia e inércia geral. Vómitos, incontinência urinária e fezes.

4,0 a 5,0

Coma

Inconsciência, anestesia. Morte

Acima de 5,0

Morte

Parada respiratória

       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Associação com cigarro

Entre alcoolistas, 67% também são fumantes. Os alcoolistas tendem a iniciar-se no consumo tabágico mais cedo, fumam durante mais tempo, fumam um maior número de cigarros por mês e apresentam fluxo expiratório mais baixo do que os abstêmios.

 

Tratamentos

 

Os tratamentos para o alcoolismo são bastante variados porque existem múltiplas perspectivas para essa condição. Aqueles que possuem um alcoolismo que se aproxima de uma condição médica ou doença são recomendados a se tratar de modo diferentes dos que se aproximam desta condição como uma escolha social.

 

A maioria dos tratamentos busca ajudar as pessoas a diminuir o consumo de álcool, seguido por um treinamento de vida ou suporte social de modo que ajude a pessoa a resistir ao retorno do uso de álcool. Como o alcoolismo envolve múltiplos factores que incentivam a pessoa a continuar a beber, todos estes factores devem ser suprimidos para que se previnam com sucesso os casos de recaídas. Um exemplo para este tipo de tratamento é a desintoxicação seguida por uma combinação de terapia de suporte, atendimento em grupos de auto-ajuda, etc. A maioria dos tratamentos geralmente preferem uma abstinência de tolerância zero; entretanto, alguns preferem uma abordagem de redução de consumo progressiva.

 

A efectividade dos tratamentos para o alcoolismo varia amplamente. Quando considerada a eficácia das opções de tratamento, deve-se considerar a taxa de sucesso daquelas pessoas que entraram no programa, não somente aqueles que o completaram. Como o término do programa é a qualificação para o sucesso, o sucesso entre as pessoas que completam um programa é geralmente perto de 100%. Também é importante se considerar não somente a taxa daqueles que atingiram os objectivos do tratamento, mas também a taxa daqueles que tiveram recaídas. Os resultados também devem ser comparados com a taxa aproximada de 5% de pessoas que abandonam os programas por conta própria.

 

A desintoxicação trata os efeitos físicos do uso prolongado do álcool, mas na verdade não trata o alcoolismo. Após a desintoxicação estiver completa, as recaídas são propensas de ocorrer se não houver um tratamento subsequente. A desintoxicação pode ou não ser necessária dependendo da idade, estado de saúde e histórico de ingestão de álcool da pessoa. Por exemplo, um homem jovem que quando consome álcool o faz em quantidades excessivas em um curto período de tempo, e busca tratamento uma semana após seu último uso de álcool, pode não precisar de desintoxicação antes de iniciar o tratamento para o alcoolismo.

 

Após a desintoxicação, diversas formas de terapia em grupo ou psicoterapia podem ser usadas para lidar com os aspectos psicológicos subconscientes que são relacionados à doença do alcoolismo, assim como proporcionar a aquisição de habilidades de prevenção às recaídas.

O aconselhamento em grupo através de ajuda mútua é um dos meios mais comuns de ajudar os alcoólicos a manter a sobriedades. Muitas organizações já foram formadas para proporcionar esse serviço, como os Alcoólicos Anónimo.

 

Observações: Em média 45 gramas de etanol (120 ml de aguardente), com estômago vazio, fazem o sangue ter concentração de 0,6 a 1,0 grama por litro; após refeição a concentração é de 0,3 a 0,5 grama por litro. Um conteúdo igual de etanol, sob a forma de cerveja (1,2 litros), resulta 0,4 a 0,5 gramas de etanol por litro de sangue, com estômago vazio e 0,2 a 0,3 gramas por litro, após uma refeição mista.

 

Os programas de racionamento e moderação do uso do álcool não forçam uma abstinência completa. Apesar de a maioria dos alcoólicos serem incapazes de limitar o seu consumo através destes programas, alguns passam a beber moderadamente. Muitas pessoas se recuperam do alcoolismo. Um estudo realizado em 2002 nos Estados Unidos mostrou que 17,7% das pessoas que tinham sido diagnosticadas como dependentes do álcool a mais de um ano (anteriormente à pesquisa) retornaram ao consumo de baixo risco de álcool.

 

publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 15:35
 O que é? | | favorito
música: Me dá só uma chance / Duplo B

Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29


arquivos
2016

2015

2014

2013

2012

2011

Visitantes
LIke
mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

Simetria

links
blogs SAPO