Este blog, é criado na vertente musical e politica e das artes em especial, mais acima de tudo aborda vários aspectos de nossas vidas, dos problemas sociais.

30
Jan 11

 

 

Relação & sexo
            O problema de relacionamento começa quando um indivíduo se sente desmoralizado por outro, e procura evitá-lo. Pesquisei sobre problemas numa relação, demonstram que a falta de sexo é o factor número um, dessa causa. Agora, será o sexo assim tão importante numa relação até chegar a ser a principal causa dos problemas no relacionamento?
Muitas relações vivem em torno do sexo, esquecem-se de como é bom ter uma boa relação de amizade para além da cama, mas se o sexo for feito com amor e carinho moderadamente e se for sentido de verdade aí o sexo terá um papel mais importante na relação e é importante não deixar que ele diminua de interesse; há que inovarem a dois, para isto basta se deixarem levar pela imaginação, pois se decair pode haver uma ruptura, ruptura esta que termina com várias relações, a rotina do dia-dia, o stresse são contributos para isto. E noutras ocasiões a falta de sexo é um dos motivos de traição justificada por algumas pessoas.
Há aquelas relações onde as pessoas só procuram sexo, não há sentimento que lhes pode manter unidos se não tiver sexo, eu sou inteiramente contra estas relações, pois na minha opinião sexo não é mais importante numa relação, há momentos numa relação que não vai existir sexo, e ai o será feito? É bom não ter o sexo como principal atracção numa relação.
Nas relações juvenis actuais da nossa sociedade actual, o sexo já não é tabu, e na sua maioria para não dizer a 100%, o género masculino quando se envolve numa relação só tem este objectivo, o sexo, e depois do sexo não querem saber de mais nada a não ser conhecer outra rapariga e levar-lhe para cama, é isso o que tem acontecido ultimamente, não sou contra, até respeito porque as meninas deixam isso acontecer, e eu não sou contra nem a favor só acho que é triste alguém terminar um relacionamento por não ter havido sexo, ou procurar o sexo fora se o parceiro(a) não estiver disponível.
De pesquisas feitas por mim encontrei dados sobre a importância do sexo e vou cita-las já a seguir mais atenção, isto não quer dizer que o sexo é tudo numa relação.
1.      O sexo é um tratamento de beleza. Provas científicas demonstram que quando as mulheres fazem amor produzem maiores quantidades de harmónio estrógeno que dá brilho ao cabelo e deixa a pele tenra.
2.      Fazer amor de forma tranquila e relaxada reduz as probabilidades de sofrer dermatites, urticarias ou granos. O suor que se produz limpa os poros e dá luminosidade para a pele.
3.      Fazer amor queima as calorias durante a cena romântica.
4.      O sexo é uma cura instantânea para a depressão leve. Libera endócrinas na corrente sanguínea, produzindo uma sensação de euforia e deixa com uma sensação de bem-estar.

5.      O beijo, secreta saliva que limpa os restos de comida dos dentes e reduz os níveis dos ácidos causadores de cáries, e previne contra o tártaro.

6.      O sexo realmente alivia as dores de cabeça. Uma sessão fazendo amor alivia a tensão que aperta os vasos sanguíneos do cérebro.

Tenha em conta, sexo numa relação não é tudo…, mais sim um complemento.
By:Smiley Tercio
                                                                                                


 
publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 11:20

25
Jan 11

 

“Me masturbei”
Me masturbei…
Me masturbei pensando nela
Me masturbei querendo ela
Me masturbei tocando nela
 
Me masturbei…
Sempre quis estar com ela
Tocar seu corpo
E amar somente ela
Penetrando nela
Devagar devagarinho
Ouvir o seu gemido
E sentir o que sente
 
Me masturbei…
Me masturbei pensando nela
Nos seus lábios carnudos
E a sua bunda excitante
Sua pele a caramelo
E o seu cheiro que me dá prazer
O cheiro de terras molhadas pelas águas caídas do céu
 
Me masturbei…
E no fim querendo mais
Querendo e pensando nela
E no fim todo cansado
Mas mesmo assim eu queria estar com ela
Me masturbei…
Me masturbei pensando nela
By:Smiley Tercio

 

 

publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 09:03

 

“procura-me”
 
 
 
Busca-me no horizonte
Que estarei no ocidente
Busca-me na nascente
Que estarei no poente
 
Encontra-me no sul
E te levarei ao norte
Encontra-me no oeste
E te levarei ao leste
 
Não chores por mim
Que não me perdeste
Mais se a mim queres
Encontra-me no nordeste
By:Smiley Tercio
 
publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 08:59

24
Jan 11

 

Lisboa - As autoridades angolanas recuperaram  USD 40 milhões de dólares depositados numa conta bancaria  em Cabo Verde que estavam em nome do antigo CEMGFAA, Francisco Pereira Furtado. Uma apreciação  do  Serviço de Inteligência Militar (SIM) que vinha seguindo os seus passos alega  que dos 40 milhões, 18 terão sido desviados da compra de cabazes  paras as tropas em 2009 enquanto que os restantes são provenientes do fundo operativo do Estado Maior.
Fonte: Club-k.net
Depositou em Cabo-Verde
Francisco Furtado que vinha sendo vigiado  pelo Serviço de Inteligência Militar, tinha como  cúmplice, um oficial do seu gabinete identificado por Coronel Mendonça.  Ambos estavam a ser acompanhados pelo tenente-general  José  Peres Afonso, o  chefe da Direcção Principal de Contra-Inteligência Militar que por sua vez reportava ao general “Zé”  Maria.
 
Numa operação de desmantelamento, o SIM teria munido os órgãos de justiça sobre ocorrência de praticas tidas como  ilícitas ao longo do seu consulado.  Em   Outubro/Novembro, uma delegação angolana integrada por elementos da PGR e SIM deslocou-se a cidade da Praia  para recuperação dos dinheiros em nome do general angolano “guardados” naquela ilha.  De acordo com conclusões dos contactos,  as  autoridades angolanas acabaram por decidir que os valores fossem revertidos em forma de empréstimos para o governo de Cabo Verde
 
As autoridades  angolanas mostram-se decidas  em prosseguir com o processo de investigação contra o mesmo para que responda em juízo pelo desvio de patrimônio militar. As mesmas, segundo justificação interna,  aguardam primeiro  que se resolva o problema judicial do antigo comandante provincial de Luanda, Joaquim Ribeiro para de seguida levantarem o caso de Francisco Furtado cujas irregularidades  ao longo do seu consulado podem ser brevemente resumidas nas seguintes linhas a saber:
-  Introdução de uma empresa do seu irmão para  mediação de compra de viaturas na China pondo de parte a Direcção Principal de Armamento e Técnica do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), chefiada pelo  general Fernando Araújo. Algumas das viaturas foram desviadas para Cabo-Verde a titulo privado.
-  Uma frota de carros luxuosos que seriam entregues aos oficiais superiores e que havia sido  extraviada  acaba de ser recuperada a partir da cidade do Lubango. Os carros estavam todos num parque particular e longe dos registros oficiais.
- Ausência de condições nos quartéis;  Teve um  mandato marcado pela ausência de fardas e botas para os soldados.
- Incompatibilizou-se com muitos dos oficias superior do exercito. Chegou a faltar com respeito a um dos mais emblemáticos  general angolano, Salviano Sequeira “Kianda”, antigo Vice-CEMGFAA e este por sua vez advertiu que “era seu mais velho”.
- Desentendeu-se  com o  chefe do SIM, general José Maria. Quando este estava  a reestruturar o SIM, o general  Furtado chegou a fazer-lhe desfeitas nas  propostas  de promoção de nome de  oficias do SIM  que  “Zé” Maria  lhe teria  remetido via direção de pessoal e quadros. O Chefe do SIM mostrava-se  também deselegante com a forma que estava a dirigir o exercito tendo lhe passado um “certificado” de incompetência a margem de uma reunião com o Comandante-em-Chefe, José Eduardo dos Santos
Francisco Furtado vê se agora  prejudicado  da  iniciativa  presidencial que previa acomodá-lo como  próximo embaixador de Angola na Nigéria. Foi notado que o  seu nome já não consta na ultima lista de embaixadores a serem nomeados, e em mãos da assessoria diplomática da presidência.
Em meios que privam com o mesmo denotavam nele, não muita apetência pela diplomacia. Fazia gosto de ser despachado como governador provincial na Huila, onde tem alguns bens e residências. (Tem uma casa na zona nobre do bairro Nossa senhora do Monte e esta a construir uma super mansão a beira da montanha).

Furtado que é  filho de pais cabo verdianos que o levaram a Angola quando era ainda  bebé,  foi um dos mais impopulares CEMGFAA que ascendeu a este cargo.  Na altura, o Comandante em chefe nomeou sem  consultar  o conselho de Defesa  de Angola provocando um surdo  descontentamento nas forças armadas angolanas.   Os militares tinham como preferência, o então   chefe de Estado Maior do Exército, General Mateus Miguel Ângelo " Vietnam"  que  melhor  posicionado  estava  na linha de sucessão.

 

*Mérito de matéria do Club-K.net, podem seguir a hiperligação abaixo para aceder ao sitewww.club-k.net/index.php

 

publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 14:40

 

“Tenho Medo”
 
Quero falar dos tempos de minha infância
Mas tenho medo…
Quero falar de quando meu amigo João ficou mutilado a jogar a bola de saco
Eu tenho medo…
Quero falar da luta contra o colonialismo
Mas eu tenho medo…
Quero falar sobre a guerra civil porque ela faz parte da minha
Mas eu tenho medo…
Tenho medo de falar de meu país
Tenho medo de falar que não sou feliz
Tenho medo porque todos têm medo
Tenho medo porque eles nos metem medo e não nos deixam falar
Não nos deixam falar, e quem falar eles o fazem calar
É neste pais onde nasci e onde cresci
É para este pais que dei a minha juventude e os meus estudos
Mas, não posso falar
Não posso falar nem me queixar porque ninguém vai me ouvir, e os que ouvirem vão fazer de contas que não ouviram
Eh, temos medo…
Temos medo e os nossos rostos mostram isso
O máximo que conseguimos é não chorar para os nossos filhos não notarem que nós temos medo
É este país que tirou a vida aos meus irmãos e que por isso os meus sobrinhos são órfãs
É este pais que me fez exilar-se porque sabia que não podia dizer o disse
Disse o disse e o eu disse está dito
É por este pais que eu vou morrer
Vou morrer porque ninguém fala
Os que falavam também têm medo e se calaram
Vou morrer porque eu amo este país e não tenho medo…
 
By:Smiley Tercio
 
publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 12:29

 

“Conflitos de ideias”
 
 
A quem diz que não nasceram para o amor, que enquanto não encontrarem alguém que lhe cause boa impressão pela primeira vez, “o que chamamos de amor a primeira vista”, nunca se apegarão a ninguém. É uma opinião pessoal de várias pessoas homens e mulheres e que deve ser respeitada, mas contudo não devemos aceitá-la se acharmos que não é nada disto porque, uma coisa é respeitar as opiniões e outra é aceita-las.
No meu haver, eu creio que o amor é algo que nasce espontaneamente pelo afecto, carinho, e a presença de alguém. Tudo se baseia nisso, quanto mais uma pessoa se faz presente em sua vida mais cresce o carinho por ela, ela vai fazendo parte de sua vida e tu não vais perceber vai ser rotineiro, só te aperceberás disto quando ela estiver ausente, aí entenderás que terás saudades e necessidades de vê-la, vai havendo um espaço para ela na tua rotina e as coisas são assim, é assim que nasce um verdadeiro amor.
Este amor conhece a sua outra metade e sabe lidar com ela porque teve o tempo necessário para poder conhecê-la, conhece a cor preferida dele, o que gosta de fazer, comer, beber, qual é o seu filme e música preferida e já está acostumado com isto.
Já aquela primeira impressão que alguém nos dá, aquilo não é amor, é paixão porque nos encantamos com a beleza física da mesma, nos amarramos pelo corpo dela e não por ela, paixão é assim, é do corpo não da alma e quando estamos apaixonados por alguém e não sentimos amor por ela é ruim, não há esperanças nenhuma nesta relação, a paixão enche-nos de desejos e quando estes estão saciados esquecemos que ela existe e só queremos estar de novo com ela quando nos apetecer, e quando nos apaixonarmos por outra pessoa já não queremos esta que está connosco, e a paixão é assim o que é muito diferente do amor, o amor é para sempre a paixão não é, o amor é vida a paixão não é, o amor é fiel a paixão não é, o amor é amigo companheiro saudável e a paixão não é. São várias vertentes que o amor se diferencia da paixão, a paixão é volátil e muita das vezes as pessoas confundem o amor e paixão, agem como se fosse a mesma coisa, ou como se têm o mesmo significado, a quem diz “eu estou apaixonado” quando querem dizer “eu estou te- amando”, e vice-versa, é algo muito comum ouvir e ver estes comportamentos, os homens prometem fundos e mundos para conseguir concretizar os seus objectivos, ou melhor quando estão apaixonados, podem até enganar o que faz de nós os maus da fita, embora que, haja mulheres que façam o mesmo, mais enfim, esta é a nossa realidade, crua e dura é algo que não podemos negar, é nosso o amor a paixão é nossa só temos é de saber equilibrar a alma e o corpo, o amor e a paixão.
Tenham em atenção, o amor vem da alma e a paixão é superficial é carnal, pense contigo mesmo e responda para si mesmo, queres algo provisório ou para sempre?
 
By:Smiley Tercio
publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 12:07

21
Jan 11

 

Porque digo já não te quero
                As vezes na vida chega-nos aquele momento para parar e pensar, sabemos que temos que tomar decisões que afecta para além de nós, e nem sempre é bem vista da parte de outrem, mas é a vida.
                Assim é a vida que num determinado instante nos faz arranjar alguém para nos apegarmos e certas vezes passamos a gostar seriamente desta pessoa, nos sentimos envolvidos e outras vezes nem nos sentimos atraídos na totalidade mas, mesmo assim nos mantemos juntos da mesma até que certa altura decidimos que já não dá mais para disfarçar, para continuar, talvez não estamos felizes ou ainda por caprichos, porque nunca tivemos interesse algum e nem nos esforçamos a passar a gostar da relação, pois tínhamos um único objectivo, curtir e sem pensarmos na outra pessoa, nos seus sentimentos sem der a mínima para isto começamos algo pois nos apeteceu e terminamos quando bem entendermos. O que errado, o que faz de nós uns monstros, uma mente vazia, a falta de sentimentos faz da nossa vida algo sem sentido nenhum pois não nos importamos com nada relativo a outrem não sentimos o sofrimento dos mesmos, a dor que lhes vêm da alma, a dor do desprezo que nós causamos a eles, é ruim, e quando nos apercebemos disto é tarde e mal hora, já magoamos o suficiente que formamos um inimigo perigoso, e certas vezes um amigo pois existem pessoas que não guardam magoas, pessoas com sentimentos.
                 Outras vezes mesmo quando amamos ou gostamos de alguém, sempre chega aquele momento de dizer já não te quero mais, mesmo em outras palavras bonitas chegam sempre a dizer a mesma coisa, “já não te quero mais”. As vezes até a gente faz de tudo para dar certo, mais como já disse há pessoas que não se importam com isto, há pessoas com mal carácter e ofuscam os seus sentimentos, gozando com os dos outros, pessoas estas que fogem do amor, têm medo do amor, mais eles perdem porque o amor é o de lindo que existe, amar alguém é ser feliz, é proporcionar a alguém e em ti mesmo a oportunidade de ser feliz.
                O amor é lindo quem ama sabe disso, e quem não ama devia procurar encontrar o amor, o amor é como ver o arco-íris, é como ter a vida eterna, é estar bem com a vida, o amor é … lindo.
                As pessoas que amam são felizes quando são correspondidas, e as mais tristes do mundo quando não são. É claro que um amor pode ser para sempre, e também pode não ser, há aqueles casos que duas pessoas se amam mas mesmo assim acabam separados mesmo antes de se casar, é, dizem que as vezes o amor agonia, que o amor se acaba, e só fica responsabilidade e esta responsabilidade aguenta esta relação até a altura que não dá mais e chega a rebentar como um vulcão. E quando chega este momento, ninguém segura ninguém, principalmente se estiver uma terceira pessoa no meio.
                Manos e manas o amor é uma dádiva que tem que ser bem cuidada, não tentem usar-lho para fins lucrativos, pois podem magoar os outros ou a si mesmo, simplesmente amem, mas amem com o coração não com o cérebro.
Smiley Tercio
publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 16:54

20
Jan 11

Momentos de reflexões 

 

 A vida é um mistério de profundas grandezas infinitas, é um mistério não compreendido mais estudado pelos homens, nela nos deparamos com várias barreiras, lutas e desafios que bem a mal temos que vencer, existem milhares de chance para perdermos mas mesmos assim nunca nos deixemos vencer, e nem cair num abismo sombrio e melancólico a vida é mas um desafio que todo mundo tem e que nos devemos lembrar que mesmo quando parece que mais nada é possível é nesta hora em que devemos ser mais fortes e lutar ainda mais, dar volta a situação e inverter este resultado porque tudo depende de nós e quando temos a ideia que não conseguiremos vencer ai estamos perdidos, porque ninguém é mais fraco que aquele que quer ser fraco, ninguém é mais cego que aquele que não quer ver, ninguém é mais surdo que aquele que não quer ouvir, e a vida é assim, uns nascem, enquanto outros morrem, uns riem enquanto outros choram e é assim, ninguém tem tudo o que quer, ninguém é feliz para sempre, e ninguém é triste para sempre, a vida é assim algo com e sem lógica, com mistério recônditos desta natureza infinita mãe e madrasta, amiga e inimiga tudo num só pacote. É esta a vida…, que muitos vivem e temem pelo dia de amanhã, se hoje foi difícil como será o de amanhã? Talvez com menos recaídas mais talvez mais sofredor que o dia de ontem , vidas falsas, verdadeiras, amigos falsos e verdadeiros tenham sempre em conta que nem tudo o que brilha é ouro e de lá a luz porque até no fim do túnel pode haver uma luz, nunca sabemos ao certo o que vemos, as pessoas dão um impacto verdadeiramente opaco e ninguém vê o que o que está por trás, abra bem os olhos e apesar de tudo confie no ser humano apesar de ser mau, também tem um coração e sentimentos de homem não banalize o da tua espécie o mundo é cruel, a vida nos ensina a sermos duros ninguém escolhe ser mau, é a sua espécie é característico, ninguém escolhe ser perdedor mas nem todos devem ganhar é um jogo onde há quem ganhe e há quem perde, há caçadores e há os que são caçados. Acredite no num mundo melhor que tu possas proporcionar aos de mais, acima de tudo acredite no homem e lhe dê um voto de confiança.

 Smiley Tercio

publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 18:03
sinto-me: a pensar no que é hoje mundo

19
Jan 11

Início

O rap, comercializado nos EUA, desenvolveu-se tanto por dentro como por fora da cultura hip hop, e começou com as festas nas ruas,nos anos 1970 por jamaicanos e outros. Eles introduziam as grandes festas populares em grandes galpões,com a prática de ter um MC, que subia no palco junto ao DJ e animava a multidão, gritando e encorajando com as palavras de rimas, até que foi se formando o rap. A origem do Rap veio da Jamaica, mais ou menos na década de 1960 quando surgiram os sistemas de som, que eram colocados nas ruas dos guetos jamaicanos para animar bailes. Esses bailes serviam de fundo para o discurso dos "toasters", autênticos mestres de cerimônia que comentavam, nas suas intervenções, assuntos como a violência das favelas de Kingston e a situação política da Ilha, sem deixar de falar, é claro, de temas mais polêmicos, como sexo e drogas. No início da década de 1970 muitos jovens jamaicanos foram obrigados a emigrar para os Estados Unidos da América, devido a uma crise econômica e social que se abateu sobre a ilha. E um em especial, o DJ jamaicano Kool Herc, introduziu em Nova Iorque a tradição dos sistemas de som e do canto falado e foi se espalhando e popularizando entre as classes mais pobres ate chegar a atingir a alta sociedade

Etimologia

Com a aceitação da música rap nos meios sociais mais recentes (nos últimos vinte anos), a palavra rap se encontra, atualmente, "online" sendo um neologismo popular do acrônimo para rhyme and poetry (rima e poesia); porém, apesar da associação com poesia e ritmo, o significado da palavra rap não é um acrônimo em si, mas descreve uma fala rápida que precede a forma musical (de ritmo e poesia),[1] e significa "bater".[2] A palavra (rap) é usada no Inglês britânico desde o século XVI, e especificamente significando "say" ("dizer", ou "falar", "contar o conto") desde o século XVIII. Fazia parte do Inglês vernáculo afro-americano nos anos de 1960, significando "conversar", e logo depois disto, no seu uso atual, denota o estilo musical.[3]
Como exemplo do significado erudito da palavra, em Inglês, podemos citar um vendedor, em um ambiente comercial, em que este está fazendo a "falação" dele para a venda do produto; você pode dizer que esta "falação" é o "rap" dele. Usado como em "that's his rap" (ou "that is my rap"), significando: "Este é o papo dele" (ou "meu papo"). O Rap, neste exemplo, é a "idéia que alguém quer lhe vender"; a "explicação", em si; o "papo."

Rap na Música

Rap, na música, é extremamente fidedigna à improvisação poética sobre uma batida no tempo rápido e freqüentemente só é acompanhada pelo som do baixo, ou sem acompanhamento. Rap é um estilo musical raro em que o texto é mais importante que a linha melódica ou a parte harmônica; sendo um dos dois únicos estilos musicais da história da música ocidental em que o texto é mais importante que a música---o outro sendo o canto gregoriano, em que a música era uma monodia, homofônica, marcada pelo ritmo, e a melodia religiosamente não podia nunca sobressair o texto litúrgico. O rap não usa melodias e motivos decorativos e harmônicos com arranjos elaborados dos insrumentos, mas vale-se somente em quão rápido o cantor narra a sua "fala" com muito pouca musicalidade adicionada a sua poesia. A música rap também tem uma similaridade distinta com a música celta em que forma-se uma brincadeira na qual os cantores tentam duelar suas frases com rimas, rapidamente improvisadas e humorísticas; alternadamente, um desafiando o outro nas rápidas frases inteligentes; quem ganha---deixando o outro esgotado sem idéias---não paga pelas bebidas. Esta influência indireta e não intencional veio da música de raiz, de folclore, importada pelos imigrantes escoceses e irlandeses que migraram para o sul dos EUA, das fazendas de plantação, como a música afro-americana, que pelo povo do sul, com a música de improvisação, no Jazz de raiz, surge nos duelos de banjo (country) depois, e desses "duelos" aparece também, bem mais tarde, o rap.

História

O rap, comercializado nos EUA, desenvolveu-se tanto por dentro como por fora da cultura hip hop, e começou com as festas nas ruas,nos anos 1970 por expatriados jamaicanos e outros. Estes introduziam as grandes festas populares em grandes galpões,com a prática de ter um MC, que subia no palco junto ao DJ e animava a multidão, gritando, encorajando mais e mais com as palavras de rimas, até que foi se formando o rap.

As raízes

A origem do rap remonta à Jamaica, mais ou menos na década de 1960 quando surgiram os sistemas de som, que eram colocados nas ruas dos guetos jamaicanos para animar bailes. Esses bailes serviam de fundo para o discurso dos "toasters", autênticos mestres de cerimónia que comentavam, nas suas intervenções, assuntos como a violência das favelas de Kingston e a situação política da Ilha, sem deixar de falar, é claro, de temas mais prosaicos, como sexo e drogas. No início da década de 1970 muitos jovens jamaicanos foram obrigados a emigrar para os Estados Unidos da América, devido a uma crise económica e social que se abateu sobre a ilha. E um em especial, o DJ jamaicano Kool Herc, introduziu em Nova Iorque a tradição dos sistemas de som e do canto falado, que se sofisticou com a invenção do scratch, um discípulo de Herc. O primeiro disco de rap que se tem notícia, foi registrado em vinil e dirigido ao grande mercado (as gravações anteriores eram "piratas") por volta de 1978, contendo a célebre King Tim III da banda Fatback. O rap, assim como o pagode e o blues, no seu surgimento era um ritmo mais comum entre pessoas de classe social mais baixa e que, com o tempo, invadiu o mercado de todos os grupos sociais---sendo um dos estilos musicais que mais vendeu no mercado popular dos anos 1990 até o início da década de 2000; mas, desde 2006, a venda do rap tem caído drasticamente, preocupando as grandes gravadoras deste estílo musical.[4]

"Ancestral directo" do rap pode ser considerado o funk, ou o jazz, músicas afro-americanas que apresentam elementos semelhantes. Outro ritmo ao qual o rap é tributário é o toast, que consiste em versar sobre uma versão instrumental ou de uma versão dub de alguma canção reggae, sempre no ritmo da batida. Essa tradição foi levada aos Estados Unidos por imigrantes jamaicanos, como o DJ Kool Herc. Nos Estados Unidos, a base de Reggae foi substituída por uma batida tirada do funk, através da utilização de dois discos idênticos dos quais era aproveitada apenas a parte instrumental da música, chamada break (os "breques," como nas paradas repentinas da percussão numa batucada).

As primeiras gravações de rap datam do início dos anos 1970, com alguns grupos como os Last Poets e Gil Scott Heron. Nessa época, trata-se simplesmente da declamação de um texto sob o ritmo das batidas de tambores africanos, sendo a negritude o tema de predilecção.

Na actualidade, os MCs utilizam, como base, batidas de outras músicas habilmente extraídas pelos DJs, ou bases montadas electronicamente, ou, ainda, instrumentos tocados por músicos.

Um recurso muito presente no rap são os samples ("amostras"), que são pequenas "pedaços" de outras músicas, covers (pré-gravadas), e inseridas digitalmente numa "nova" música. Os samples tanto podem ser da parte instrumental de uma música como podem ser de vocais.

Inicialmente, os temas das letras giravam em torno de assuntos como festa e diversão, que aos poucos foram substituídos por outros temas como as desigualdades sociais e o combate ao racismo. vinte anos depois, se tornou um dos estilos musicais mais popular em todo o mundo, sendo muito difundido principalmente nos EUA, na França, no Japão e no Brasil. A primeira música de rap a surgir no Brasil foi "Kátia Flávia", em 1987, de autoria de Fausto Fawcett e Laufer. Em Portugal a primeira compilação de rap surgiu em 1994 com o designação de Rapública.

Freestyle

Modo de cantar o rap de forma improvisada. Colocando versos feitos na hora, baseados nos versos dos seus adversários. Geralmente os MC's participam de rachas, disputas de free style onde um tenta ser melhor do que o outro.

Gangsta Rap

Quando se fala em Gangsta Rap o que vem a mente de muitos é músicas falando sobre "mulheres", "carrões" e "festas", mas a verdade é que isso não tem nada a ver com o estilo. Quando o assunto é Gangsta Rap a temática é completamente outra. O grupo que fez o Gangsta Rap se tornar conhecido no mundo todo foi o N.W.A, formado pelo finado Eazy-E, por Dr. Dre, Ice Cube, Mc Ren e Dj Yella, eles falavam sobre a brutalidade da policia, sobre os problemas que afetam as comunidades, as rixas que acontecem no gueto, e sobre o tráfico, que é o comércio mais ativo na maioria das periferias, e como nos EUA os Bloods & Crips haviam se espalhados como uma epidemia, e as letras se pareciam muito com o estilo de vidas dos membros de gangues, se deu o nome a esse estilo de rimar de Gangsta Rap.

O Gangsta Rap (Rap Gângster) surgiu nos Estados Unidos no meio dos anos 1980 com os Run DMC (e outros)como LL Cool J. Com letras duras e brutais o gangsta rap logo ganhou espaço na mídia mundial. Entre os maiores gangsta rappers destacam-se 2pac, N.W.A., Compton Most Wanted, entre outros, que entre as suas rimas falavam das desigualdades e do racismo alem do ódio que sentiam uns pelos outros. Desde então o mundo do gangsta rap evoluiu muito e hoje em dia os rappers podem falar e fazer músicas falando de tudo, ou seja, poucos ainda valorizam as raízes culturais, desse estilo que foi criticado por Spike Lee por em sua opinião, fazer crer que ler e estudar é coisa de branco. Outro grupo que se destacou (e ainda se destaca) quando o gangsta rap estava surgindo foi o N.W.A. - Niggas With Attitude, formado em 1986 por Dr. Dre, MC Ren, Eazy-E, Ice Cube e nas pickups, o DJ Yella. O grupo se tornou notório pelas suas letras pesadas, especialmente como "Fuck tha Police", de 89, que resultou no FBI enviando uma carta de aviso para a Ruthless Record, sugerindo que o grupo tomasse mais cuidado com o que dizia.

publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 17:58

 

 

Este é um tema bastante difícil e profundo para ser tratado com rapidez. Vivemos hoje em um momento em que a política é questionada, pois, ela é sistematicamente confundida com as ações dos políticos profissionais, principalmente, pelos maus políticos.

O que é política?

é o título de um livro contendo a idéia de política da pensadora e filosofa alemã Hannah Arendt. Na verdade são fragmentos de sua obra publicados postumamente. Hannah Arendt é considerada uma das maiores pensadoras desde século e seu trabalho sobre as Origens do Totalitarismo é considerado uma obra clássica e definitiva sobre o assunto. Além disso, é uma das maiores autoridades em relação ao estudo da política na Grécia e Roma antiga. Por isso, recomendamos a leitura desta autora. Alertamos que Hannah Arendt não é uma leitura fácil, mas é imprescindível para entendermos melhor o assunto.

Vejamos, então, como ela discute a questão:

Para Hannah Arendt "O sentido da política é a liberdade". Segundo ela, a idéia de política e de coisa pública surge pela primeira vez na polis grega considerada o berço da democracia. O conceito de política que conhecemos nasceu na cidade grega de Atenas e está intimamente ligado à idéia de liberdade que para o grego era a própria razão de viver.

Utilizando o conceito grego de política é que Arendt nos diz que "A política baseia-se no fato da pluralidade dos homens", portanto, ela deve organizar e regular o convívio dos diferentes e não dos iguais. Para os antigos gregos não havia distinção entre política e liberdade e as duas estavam associadas à capacidade do homem de agir, de agir em público que era o local original do político. O homem moderno não consegue pensar desta maneira pelas desilusões em relação ao político profissional e a atuação desse no poder. Porém, Arendt, judia, que viveu os horrores da Segunda Guerra Mundial, acreditava na ação do homem e na sua capacidade de "fazer o improvável e o incalculável".

Vejamos o que diz Hannah Arendt: "A política, assim aprendemos, é algo como uma necessidade imperiosa para a vida humana e, na verdade, tanto para a vida do indivíduo maior para a sociedade. Como o homem não é autárquico, porém depende de outros em sua existência, precisa haver um provimento da vida relativo a todos, sem o qual não seria possível justamente o convívio. Tarefa e objetivo da política é a garantia da vida no sentido mais amplo" (grifo meu). Para ela, a tarefa da política esta diretamente relacionada com a grande aspiração do homem moderno: a busca da felicidade.

Não é fácil discutir a questão da política nos dias de hoje. Estamos carregados de desconfianças em relação aos homens do poder. Porém, o homem é um ser assencialmente político. Todas as nossa ações são políticas e motivadas por decisões ideológicas. Tudo que fazemos na vida tem conseqüências e somos responsáveis por nossa ações. A omissão, em qualquer aspecto da vida, significa deixar que os outros escolham por nós.

Nossa ação política está presente em todos os momentos da vida, seja nos aspecto privado ou público. Vivemos com a família, relacionamos com as pessoas no bairro, na escola, somos parte integrantes da cidade, pertencemos a um Estado e País, influímos em tudo o que acontece em nossa volta. Podemos jogar lixo nas ruas ou não, podemos participar da associação do nosso bairro ou fazer parte de uma pastoral ou trabalhar com voluntário em uma causa em que acreditamos. Podemos votar em um político corrupto ou votar num bom político, precisamos conhecer melhor propostas, discursos e ações dos políticos que nos representam.

Não podemos confundir que política é simplesmente o ato de votar. Estamos fazendo política como tomamos atitudes em nosso trabalho, quando estamos conversando em uma mesa de bar ou quando estamos bebendo uma cerveijinha após uma "pelada" de futebol. Estamos fazendo política quando exigimos nossos direitos de consumidor, quando nos indignamos ao vermos nossas crianças fora das escolas sendo massacradas nas ruas ou nas "Febens" da vida. Conhecemos o Estatuto da Criança e do Adolescente? ou o Código do Consumidor?, a nossa Constituição, nem pensar e grande demais. E que dizer das leis transito que estamos a todo momento desrespeitando?

A política está presente quotidianamente em nossa vidas: na luta das mulheres contra uma sociedade machista que discrimina e age com violência; na luta dos portadores de necessidade especiais para pertencerem de fato à sociedade; na luta dos negros discriminados pela nossa "cordialidade"; dos homossexuais igualmente discriminados e desrespeitados; dos índios massacrados e exterminados nos 500 anos de nossa história; dos jovens que chegam ao mercado de trabalho saturado com de milhões de desempregados; na luta de milhões de trabalhadores sem terra num país de latifúndios; enfim, na luta de todas as minorias por uma sociedade inclusiva que se somarmos constituem a maioria da população. Atitudes e omissões fazem parte de nossa ação política perante a vida. Somos responsáveis politicamente (no sentido grego da palavra) pela luta por justiça social e uma sociedade verdadeiramente democrática e para todos.

publicado por Smiley Tercio Constantino Augusto às 15:37

Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
22

23
26
27
28
29

31


subscrever feeds
arquivos
2016

2015

2014

2013

2012

2011

Visitantes
LIke
mais sobre mim
pesquisar
 
favoritos

Simetria

links
blogs SAPO